Fotos IBP

Tia Dulce

Os membros mais novos da IBP talvez ainda não conheçam todos os pastores nem saibam ao certo quais são os  ministérios da igreja, mas, com certeza, não demoraram muito tempo para descobrir a simpatia escondida atrás do balcão da nossa cantina.

 

Uma bengala na mão e um sorriso largo no rosto são as marcas registradas dessa guerreira de 77 anos que é uma das figuras mais queridas da IBP. A bengala simboliza as dores e as limitações impostas pelo tempo. O sorriso, em contrapartida, expressa a força e a alegria vindos do Senhor para fazê-la superar dores, limitações e problemas.

Nascida Dorcelina Cerino, ela se transformou em Tia Dulce desde que chegou à nossa igreja, há 19 anos. “Logo que vim para cá, ingressei no grupo de senhoras que fazia visitas, oração e louvor nas casas. Foi uma época muito boa”, lembra.

Aposentada devido a problemas no coração, Tia Dulce, que já trabalhou como telefonista e faxineira, não demorou muito para começar a vender bolos, salgadinhos e lanches para os alunos do Seminário Teológico Batista Nacional, na época sediado nas instalações da IBP. “Eu tinha uma banquinha sem lugar fixo. Conforme a reforma da igreja avançava, eu ia mudando de lugar, e os seminaristas sempre iam atrás de mim”, relembra. Ela também chegou a trabalhar na cantina do Seminário, inaugurada mais tarde, e a vender cachorro-quente num carrinho. Terminada a reforma do prédio, no início dos anos 2000, Tia Dulce ganhou um lugar fixo para vender os seus quitutes, com um balcão e uma pia, onde permanece até hoje. “A igreja me ajuda muito. É um espaço pelo qual eu não pago nada. É uma bênção na minha vida e, graças ao Senhor Jesus, estou defendendo o meu sustento ao mesmo tempo em que tenho o privilégio de conviver com muita gente boa”.

Amigos pastores

Dos tempos do Seminário, Tia Dulce conserva muitos e grandes amigos. “Conheci muita gente que foi embora, mas há aqueles que eram meus fregueses fiéis, que sempre vinham comer um lanchinho e tomar café, na época do seminário, e que, agora, se tornaram pastores e líderes. Confesso que ao conversar com os mais chegados, como o Pr. Luciano, por exemplo, tenho dificuldade para colocar a palavra pastor antes do nome”, diverte-se.

Entre os clientes seminaristas que se tornaram amigos de Tia Dulce e hoje atuam no ministério estão os casais de pastores Sandro e Carla Rubinec, Luciano Avelino e Myrian Rosário,Tiago e Paula Marcolongo e o Pr. Ivêner Soler , entre muitos outros pastores, líderes e missionários. “O Rubinho, então, eu conheço desde os tempos em que ele era diácono-mirim do Pr. Enéas. Ele sempre foi muito ativo”, diz ela, referindo-se ao maestro Rubens Spada, líder do Ministério de Música da IBP.

Mãe de todos

Embora nunca tenha engravidado, Tia Dulce ganhou de Deus uma filha e um neto. “Eu alugava vagas para moças na minha casa e a Geruza surgiu na minha vida por causa de uma dessas vagas. Nós nos conhecemos em 1972. Com o tempo, todas as moças se mudaram e ela permaneceu. Depois, engravidou do André e, quando vimos, tínhamos formado uma família linda. O André nasceu na minha cama e é tudo na minha vida”, emociona-se.

Dizendo sentir-se como a mãe da igreja toda, nossa simpática cantineira conta como o carinho de cada membro da IBP tem sido importante em sua vida. “Esse ‘Tia Dulce’ que ouço de todo mundo tem me alimentado, tem me feito esquecer das dores. As pessoas nunca descem em direção ao Templo 3 sem falar com a Tia Dulce”, agradece.

Vovó –coruja, ela transformou a porta da geladeira da cantina num mural de fotos das crianças da igreja e sempre tem uma palavra especial para cada uma delas. “Amo as crianças, me identifico demais com os jovens e adolescentes e tenho um carinho muito especial pelas queridas a minha idade. Sei que, como eu, elas se tornaram carentes, repetitivas, cheias de dores e com dificuldades de audição. Mas isso não pode nos tirar a alegria de viver, pois o Senhor é que nos sustenta”, ministra.

Fazendo questão de enfatizar que não entende o porquê de ter sido escolhida como personagem a ser homenageada no Mês da Mulher – “a igreja está cheia de mulheres mais inteligentes, mais importantes e mais cheias de unção do que eu” -, Tia Dulce deixa registrada sua declaração de amor a Deus e à IBP. “Eu me sinto muito feliz na Igreja Batista do Povo, com todo amor que eu tenho recebido de todos os membros. Os pastores sempre me dão muita atenção e cuidam de mim com carinho. Só Deus mesmo para retribuir tudo o que vocês fazem por mim”.

 

Por Myrian Rosário